ARTIGO: “Consertar” o passo para evitar canelite

canelite

Os iniciantes na corrida talvez fiquem um pouco confusos com tantas orientações: fortalecimento muscular, avaliações diversas, aquecimento, tênis adequado, solo indicado, repouso etc., que são fundamentais para a melhora do desempenho e o condicionamento físico do corredor, mas importantes também para evitar lesões, tão comuns nessa prática esportiva entre – entre elas, e talvez uma das mais corriqueiras, a canelite.

A canelite é o nome popular da síndrome do estresse na região tibial medial, uma inflamação da região interna da tíbia (osso da “canela”). A musculatura anterior da tíbia leva o pé para cima, portanto, a dor é intensa nesse movimento durante a corrida, e ela ocorre no impacto do calcanhar no solo. Outra característica da canelite é a dor à palpação da região medial da canela. Numa fase inicial, a dor cessa ao final da corrida, mas, numa fase tardia da lesão, ela passa a ser constante.

A canelite é comum principalmente em atletas iniciantes, pois eles ainda não se adaptaram à atividade, possuem vícios e não desenvolveram habilidade para a prática esportiva. Entre os corredores que tem essa lesão é comum observar algumas características, como a descarga de peso concentrada na região anterior do pé, ou seja, não toca inicialmente o calcanhar no solo durante a corrida; tênis inadequado; fraqueza muscular. Mas os atletas mais experientes, por vezes, também sofrem com a canelite em função de treinamento em terrenos muito duros e íngremes, aumento da frequência e velocidade do treinamento precocemente.

Ações

É muito importante que o atleta, caso sinta dor na região tibial, pare de correr e procure um médico, especialmente porque essa dor é muito parecida com a fratura por estresse – condição grave e que piora bastante se não for adequadamente tratada. Mas, se for diagnosticado canelite, o tratamento adequado é mais simples, porém, necessário. Como já foi dito, a dor tende a evoluir, diminuindo rendimento e até impossibilitando a prática da corrida.

O primeiro passo é detectar qual o motivo (ou motivos) da lesão, para que seja possível corrigi-lo. As causas podem ser intrínsecas, isto é, o problema é do próprio atleta: pisada errada (descarga de peso inadequada), pé chato (ou pronado), passadas muito longas, despreparo físico, pouca força e flexibilidade muscular. Ou fatores extrínsecos (do ambiente): tênis inadequado, solo muito rígido e íngreme, grande frequência, velocidade e intensidade do treinamento.

O ideal é procurar orientação de um profissional, antes de iniciar o treinamento, e fazer uma avaliação completa. Dependendo do resultado, o profissional irá planejar o treinamento adequado e as condições ideais. Também é importante observar o tênis que se está usando, pois ele tem vida útil – eventualmente, ainda haverá a necessidade do uso de palmilhas específicas, mas isso também vai depender da avaliação.

canelite fisioterapia melhor

Uma vez descoberta a causa, é hora de adequar o treinamento e iniciar o tratamento. Dependendo da gravidade e estágio da lesão, a interrupção da atividade é inevitável, mas há casos em que o tratamento fisioterapêutico pode ocorrer em paralelo com o treinamento. Outra forma de condicionamento físico, sem impacto, torna-se relevante até cessarem os sintomas. Se houver a necessidade de um tratamento fisioterápico (diagnóstico feito a partir de uma avaliação), a fisioterapia usa alguns recursos para a diminuição da dor e da inflamação, como ondas curtas, ultra-som, crioterapia (gelo) ou até massagem local, para diminuir a tensão muscular. A conduta que será tomada pelo fisioterapeuta vai depender da avaliação, da gravidade da lesão, intensidade, frequência da dor e queixas do paciente.

Precauções 

A adequação postural, muitas vezes, se faz imprescindível, pois uma alteração local pode ser a compensação de um problema à distância, isto é, uma alteração da pisada advém de uma compensação ocorrida por uma rotação excessiva dos joelhos, por exemplo. Lesões prévias ainda não recuperadas por completo também causam compensações. Treino de marcha, propriocepção articular, massoterapia e pompagem (massagem muscular específica) podem ser utilizados para reabilitar o atleta, sendo importante corrigir a condição que causou a lesão.

Para quem está iniciando, procure orientações profissionais, além da avaliação das condições físicas, posturais, da coordenação e vícios do atleta. A orientação de equipamentos e de locais adequados para a prática esportiva vão fazer toda a diferença na evolução do treinamento e do desempenho.

Para os mais experientes, atitudes que evitam lesões, como aquecimento, arrefecimento, alongamento e treinamento muscular nunca devem ser abandonadas, por mais que um bom condicionamento físico tenha sido atingido, já que a corrida expõe o corpo a um grande estresse e riscos, e, por isso mesmo, o cuidado deve ser constante.

Vamos nos cuidar, e bora praticar saúde!

Prof. Pedro Paulo Duarte Souza
Especialista em Treinamento Esportivo pela UFMG
CREF 008002-G/MG, Tel:  (32) 9982-9309
personal.pedro.paulo@gmail.com
* Imagens: reprodução web

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *