BIG BIKER CUP 2014: Equipe juizforana Dinossauros do Mountain Bike fez bonito na segunda etapa

 Além de um primeiro e um terceiro lugares, os ciclistas conquistaram várias marcas importantes na cidade mineira de Itanhandu

Ricardo Leite no topo do pódio da categoria Sub 50 (Foto: arquivo pessoal / Ricardo Leite)

Ricardo Leite no topo do pódio da categoria Sub 50 (Foto: arquivo pessoal / Ricardo Leite)

A equipe de ciclismo Dinossauros do Mountain Bike, de Juiz de Fora, representou muito bem a cidade ontem, 25, na segunda etapa do Big Biker Cup 2014, em Itanhandu, também em Minas. Os atletas Ricardo Leite (Pulse Academia/Pinabikes/Bossi) e Guilherme Sá Freire Werneck (Soul Fitness) pegaram pódio e foram os grandes destaques – o primeiro venceu a categoria Sport Sub 50, enquanto o outro faturou o terceiro lugar na Pró Veterano A.

De volta à competição

Atual bicampeão do Big Biker, vice-campeão brasileiro de maratona de MTB em 2013 e 8º Panamericano, Leite revela que não participou da primeira etapa, mas fez questão de compensar o tempo perdido. “Como já tinha um líder, saímos em disputa desde a largada, com um pelotão de uns 15 ciclistas imprimindo um ritmo forte. Quando começaram as subidas, foi dividindo, ficando somente cinco até a última, na Serra do Palmital. Dois atletas da Sub 45 escaparam no início da longa subida, por volta de 8km, ficando somente eu e meu adversário”, lembra.

A decisão da disputa foi decidida na reta final da prova. “Por volta de 2km de subida, passaram os atletas da Elite. Foi quando peguei o ritmo e fui com eles até o final, pegando os outros que tinham escapado pelo caminho, e nós ultrapassamos. No último quilômetro, o atleta da Sub 45 foi disputando num ‘sprint’ alucinante até a chegada, quando venci e fiquei em primeiro da Master, além da minha categoria, Sub 50″, comemora o campeão.

Aécio, Sayder, Dario e Ricardo em Itanhandu (Foto: arquivo pessoal / Sayder Bruck)

Aécio, Sayder, Dario e Ricardo em Itanhandu (Foto: arquivo pessoal / Sayder Bruck)

Um quinto e três sextos

O biker Luiz Felipe Nabahier Duarte (HE Treinamento / YOI / SPZ) ficou em quinto na Pró Sub 23. Já os colegas Thiago Aroeira (Isapa / Oggi / Shimano), na Pró Masculino; Diogo Moreira (Dinossauros do Mountain Bike / Inspire Consultoria), na Sport Sub 35; e Sayder Bruck (Dinossauros MTB JF / Garantia Engenharia / Bellini Bicicletas), na Sport Sub 60, garantiram a sexta colocação.

A prova foi muito legal e disputada. Corri lá em 2012 e fui o 4º colocado. Hoje, mesmo baixando meu tempo em oito minutos, só consegui o 6º. O nível foi muito mais alto e fiz uma corrida bem controlada, porque estava sem treino específico. Mas me senti muito bem durante toda a competição e cheguei bem inteiro na linha chegada”, lembra Bruck.

Com direito à estreante

Na categoria Sport Sub 60, 13º lugar para Aécio Bigi de Aquino (Dinossauros MTB JF). Os ciclistas Ronaldo Muinhos (Portal Bike), 46º na Sport Sub 40, e Dario Sguizzato Ferraz (Garantia Engenharia Ltda. / Dinossauros do Mountain Bike JF), 47 ] na Sport Sub 50, completaram a classificação local na prova.

Ronaldo Muinhos (Foto: arquivo pessoal / Ronaldo Muinhos)

Ronaldo Muinhos na segunda etapa do Big Biker
(Foto: arquivo pessoal / Ronaldo Muinhos)

Estreante na competição, Muinhos conta que se encantou com a organização do campeonato e o clima de Itanhandu. “A prova contou com um número muito grande de bikers. Larguei às 9h30, no último pelotão, e, de início, me senti bem, recuperando muitas posições. Na primeira serra, consegui subir num ritmo muito bom, mas sem forçar tanto, pois estava apreensivo com a Serra do Palmital, a mais forte da prova. Segui de forma consistente até a serra e o medo não se confirmou: apesar de longa, ela possuía uma inclinação onde era possível imprimir um bom ritmo. Consegui ultrapassar muitos grupos formados os longo da subida”, pontua.

Daí para a conclusão da prova, foi um “pulo”. “Desci a serra de forma bem conservadora, pois eram trechos de alta velocidade e com muitas pedras. Haja braço… Fim da descida, segui para os últimos quilômetros entre planos e pequenas subidas, segurando um pouco o ritmo até a chegada, por causa de uma iminente câimbra na coxa direita. Minha Caloi Elite Carbon se comportou muito bem nas subidas e foi muito precisa nos trechos mais técnicos. Enfim, gostei muito da experiência. O clima ajudou e foi uma festa do MTB nacional”, encerra o ciclista.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *