Ciclismo e Corrida

Para ganhar rendimento nas passadas é essencial adotar outras atividades como parte do programa de treinos. Entre elas, o ciclismo acaba se tornando uma boa opção de muitos corredores, por trazer benefícios para as passadas. O principal conceito por trás disso é que, com essa atividade, você aumenta o repertório motor dos movimentos feitos por uma determinada articulação.

ciclismo e corrida- rep 30tododia

Imagem: Reprodução / 30tododia

O ciclismo gera adaptações de força importantes para as pernas de quem investe nas passadas. Ele traz grande desenvolvimento da resistência cardiorrespiratória e muscular, e pode ser realizado tanto outdoor quanto indoor. Por ter baixo impacto, a modalidade consegue manter a resistência e o condicionamento dos membros inferiores, além de ajudar na melhora do sistema cardíaco.

Incorporar o ciclismo na rotina dos treinos ajudará o atleta a prevenir algumas das principais lesões relacionadas à corrida, como tendinite, tibialgia (canelite) e fraturas por estresse. Também poupa o joelho, tornozelo e coluna vertebral, que são partes bastante sobrecarregadas durante os treinamentos de corrida. Pedalar pode ser, ainda, a salvação de quem está machucado, pois quem se lesionou e não quer perder o condicionamento pode usar a bike – isso, claro, dependendo do nível da lesão.

ciclismo e corrida- rep eu atleta

Imagem: Reprodução / Eu Atleta

Vale ressaltar que a exigência muscular ao pedalar é completamente diferente da corrida, o que pode favorecer o maior equilíbrio muscular das pernas do corredor. Porém, com base no princípio da especificidade do treinamento, o atleta que quer correr melhor deve focar seus treinos na corrida, deixando o ciclismo como descanso ativo ou como uma fuga da rotina pesada dos treinos, visando maior motivação. Então, não busque performance na bike e foque a energia na corrida.

Os corredores mais avançados podem, até mesmo, pedalar no mesmo dia da corrida. Já os iniciantes devem pedalar apenas em dias distintos para evitar grandes desgastes. Contudo, com a inclusão dessa atividade no programa de treinos, a sobrecarga por impacto diminui quando comparada à carga total programada na planilha. Por isso, o professos de Educação Física irá avaliar qual é o melhor momento para incluir essa modalidade complementar aos treinos de corrida.

São várias as possibilidades para nos manter ativos. Bora praticar saúde!

Prof. Pedro Paulo Duarte Souza
Especialista em Treinamento Esportivo pela UFMG
CREF 008002-G/MG, Tel:  (32) 9982-9309
personal.pedro.paulo@gmail.com

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *