Corrida Solidária Virtual arrecada alimentos em Barbacena, Juiz de Fora e Santos Dumont

*Reportagem: Priscila Oliveira

Se tem uma coisa que estes tempos de pandemia nos faz perceber cotidianamente é o quanto, mesmo em meio às dificuldades e incertezas do futuro, muitas iniciativas são capazes de transformar momentos tão nebulosos em grande esperança de dias melhores. Entre as milhares de iniciativas que se multiplicam pelas redes sociais, algumas estão diretamente relacionadas aos entusiastas da prática esportiva – embora, independente da modalidade, o que valha mesmo é participar e ajudar o próximo.

Campanha idealizada pelo organizador de eventos Ronaldo Viannas já distribuiu mais de 30 cestas básicas a famílias carentes da Cidade das Rosas (Foto: arq. pessoal)

Foi com essa perspectiva que o organizador de eventos, educador físico e professor de natação Ronaldo Viannas criou a 1ª Corrida Solidária Virtual. Apesar de estar “sediada” em Barbacena, onde ele reside, a proposta se estende a Santos Dumont e Juiz de Fora, sem demandar nenhum tipo de aglomeração, seguindo as orientações de distanciamento social. O principal objetivo é arrecadar alimentos não-perecíveis para famílias carentes. “Esse projeto começou um mês atrás. Eu já estava ficando muito ansioso com o cancelamento dos eventos e o comércio todo parado. Então, montei minhas tendas, fiz um banner e falei para os meus vizinhos, do bairro São Geraldo, que eu precisava ajudar o pessoal do Monte Mário, onde dei aula cinco anos, do Novo Horizonte e do Ipanema, que são bairros humildes. Fui conseguindo os mantimentos e já doamos mais de 30 cestas básicas. Esta semana, vamos entregar mais dez”, relata orgulhoso.

Pódio solidário

Ronaldo faz questão de destacar que a campanha não é restrita aos esportistas. Todo mundo pode participar. Mas é bem verdade que, para os corredores, a lembrança de um gesto de solidariedade como esse também será especial. “É mais uma brincadeira, por ser uma corrida de doação. Todos que doarem ganharão uma medalha de participação e uma máscara facial, que serão entregues num dos nossos pontos de arrecadação ou através dos Correios. Já as três pessoas que conseguirem mais doações receberão troféu de 1º, 2º ou 3º colocado”.

Veterano Francisco Condé lidera a lista de maiores doadores. Os três primeiros “colocados” receberão troféu (Foto: Hugo Keyler/arq. Rumo Certo)

Quem está na dianteira desse pódio virtual é o veterano Francisco Condé. Aos 71 anos e militar reformado, o também morador da Cidade das Rosas revela a naturalidade em se colocar no lugar do próximo, sempre primando por auxiliar em atividades desse tipo. “Fico até constrangido, porque minha atitude não foi com esse propósito. O momento é de refletirmos e observarmos as dificuldades que muitas famílias estão passando. Unidos, com pequenos gestos solidários, contribuiremos para amenizar esses dias difíceis. Juntos, sairemos dessa crise mais fortalecidos”, pondera. E acrescenta. “É gratificante dar ajuda aos mais desassistidos no momento em que eles estão quase desanimados. Fazer parte disso ajuda a renovar a fé e a esperança de voltarem a sorrir, confiantes de que não estão esquecidos”.

Pontos de coleta

Em Barbacena, as doações devem ser entregues na Micro World Computadores, localizada na Rua Presidente Kennedy, 657, Centro. O telefone disponível para contato é (32) 3362-6042. A coleta em Santos Dumont é realizada na Rua Capitão Nélio Pressoti, 50, São Sebastião, com Conceição Silveira (32 99173-2040). Já em Juiz de Fora, a arrecadação é feita na Avenida Santa Luzia, 150, Santa Luzia, por Cléo Teixeira (32 98847-4559). Outra forma de contribuir é se “inscrevendo” através do link https://bit.ly/2zu8zyy. Nessa alternativa, o interessado paga uma taxa de R$10, a serem revertidos à compra dos produtos que formarão as cestas. Parte dos alimentos angariados entre sandumonenses e juiz-foranos serão destinados a famílias dos dois municípios.

Idealizador dessa causa, Viannas se ancora no retorno emocional para manter a jornada solidária. “A reação das famílias que recebem as cestas básicas tem sido muito positiva. Elas agradecem muito; fico até sem graça. Eu é quem agradeço aos meus vizinhos, família e amigos da corrida pela ajuda. Por mais que as coisas estejam difíceis para vários de nós, tem gente em situação muito pior, passando fome. Nessas horas, não tem rico, pobre, preto, amarelo ou branco. É hora da gente ajudar”, finaliza.

CLIQUE AQUI para se inscrever na 1ª Corrida Solidária Virtual.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *