DO LEITOR: A corrida mudou minha vida e minha autoestima

amanda na corrida - pessoal

Olá, queridos colegas! Me chamo Amanda da Cruz Dornelas, tenho 22 anos e moro na cidade de Barbacena (MG), onde faço faculdade de Direito à noite e trabalho em uma Universidade durante todo o dia. Estou falando isso para poderem imaginar como minha rotina é corrida, ou seja, não tem desculpas (risos), e para falar um pouco de mim para vocês.

Há algum tempo, cerca de dois anos, comecei a me sentir incomodada com meu corpo, visto que não conseguia roupas que me serviam, me sentia cansada em tudo o que ia fazer, e não aguentava me olhar no espelho. Tentei de tudo para emagrecer – tomei remédios que pessoas me indicavam, tentei musculação, comecei algumas dietas malucas etc. etc. Às vezes, chegava a emagrecer alguns poucos quilinhos, mas depois engordava tudo de novo e até muito mais do que tinha perdido.

Foi quando chegou o dia em que me decidi “de verdade”, há cerca de sete meses. Então, fui ao endocrinologista, Dr. André, que é quem me acompanha ainda hoje, um excelente profissional, que me ajuda muito, o qual me disse durante a consulta que eu estava obesa. Foi um choque, afinal, é bem forte ouvir isso. Mas, quando fui procurá-lo, já estava decidida a mudar de vida e contava com a ajuda da minha grande amiga e incentivadora, Jack Melo. E era aqui que eu queria chegar, pois foi onde começaram, com ela, meus treinos, de treinos de corrida.
amanda dornelas vestido - pessoal

Meu médico me passou a dieta, a qual deveria seguir (e eu sigo), e, a partir daí, passei a treinar praticamente todos os dias com essa minha amiga, troquei uma hora a mais de sono por uma hora de treino e muito mais saúde. Agora posso dizer que a corrida mudou minha vida. Desde então, já perdi 22 quilos e não carrego mais o peso de ser obesa.

Me tornei mais uma apaixonada pela corrida e já participei de provas de 5km e 10km, a cada dia me superando e me sentindo mais feliz e realizada. A cada dia, diminuindo mais meu tempo e me sentindo uma guerreira campeã. Também me sinto assim ao concluir cada prova, mesmo que seja curta, mesmo que minha classificação não seja das melhores (risos). Sempre estarei me sentindo uma vencedora. Minha pretensão é melhorar cada vez mais, é participar de grandes provas e, principalmente, nunca mais parar.A corrida trouxe de volta minha autoestima, a vontade que eu já não tinha de me arrumar ou me olhar no espelho. A corrida me completou e hoje é assim que eu sou: completa, plena, livre. Só quero mais e mais. Mais corrida, mais ‘km’ e mais endorfina, todos os dias.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *