IBITIPOCA OFF ROAD: Grandes nomes do enduro nacional querem fazer história na edição de 25 anos

Foto de capa: Erik Araújo / Reportagem: Priscila Oliveira

Sandro Hoffmann, octampeão do IOR (Foto: Erik Vieira)

Sandro Hoffmann, octampeão do IOR (Foto: Erik Araújo)

02 e 03 de agosto. Na semana que celebra 25 anos de história daquela que é considerada a prova “mais charmosa do Brasil”, 380 pilotos de todo o país fazem contagem regressiva para colocar as motos nas trilhas e se aventurar no enduro de regularidade que mantém a tradição de desbravar os caminhos de Juiz de Fora e do distrito de Conceição de Ibitipoca, passando pelo município de Lima Duarte, em Minas Gerais. Este ano, exatamente por suas “bodas de prata” com a região, o Ibitipoca Off Road (IOR) promete disputas ainda mais acirradas entre os participantes, que encaram os dois dias de desafio como a possibilidade não só de testar suas próprias habilidades técnicas, mas de deixar, inédita ou novamente, o nome gravado na trajetória do evento.

Clique AQUI para conferir a programação completa do Ibitipoca Off Road – 25 anos.

“Imbatível do IOR”, agora na Over 40

Hexacampeão Brasileiro de Enduro de Regularidade, bicampeão do Enduro da Independência, campeão Sul-Brasileiro, campeão da Copa Sudeste, hexacampeão Capixaba, hexacampeão do Cerapió-Piocerá e, para completar, octacampeão do Ibitipoca Off Road (99 / 2001 / 02 / 03 / 10 / 11 / 12 / 13) – marca que o caracteriza, entre os próprios competidores, como o “imbatível do IOR”. Natural de Itaguaçu (ES), mas morador do município capixaba de Venda Nova do Imigrante, Sandro Hoffmann (Sherco/ Moto Fire/ ASW/ Mitas/ R 2/ MR Pro/ Compass/ Califórnia/Corona / Motul/ NGK/ No Stop/ Bolsa Atleta/ Imagem Adesivos/ Odilom Motos/ Compete ES)  defende seu título inédito na Over 40 – categoria que lidera nacionalmente – com a experiência de quem sabe muito bem onde quer chegar.

Sandro Hoffmann (Foto: arquivo pessoal)

Sandro Hoffmann (Foto: arquivo pessoal)

“É um fim de carreira”, brinca. “Corri 15 anos na Master e, por ser uma numeração razoável, optei pela Over 40. Em setembro, faço 44 anos, e, no meu caso, não dá mais disputar com quem tem 25, está estudando, fazendo academia e correndo de moto. Parei meus treinamentos há quase dois anos e estou com outras prioridades na vida. Consegui ter uma história que ninguém tem até hoje: ser campeão Brasileiro com 40 anos, e acredito que vencer o Ibitipoca agora vai ser tão difícil quanto foi todos esses anos. Tem uns dez candidatos muito bons na Over 40, como os campeões do ano passado, de 2011, 2012… Mas a Over 45 vai ajudar a aliviar”.

Para ele, que também possui uma vitória na categoria Júnior (1997), participar do IOR tem um sabor mais do que especial. ”Sempre achei esse enduro um teste de sobrevivência. Se não me engano, em 1996, só quatro pilotos da Master conseguiram passar todos os PCs (pontos de controle). O quinto colocado abandonou parte da prova, de tão difícil que estava, e isso era um super convite para mim: saber quem chegaria vivo. Todo ano eu ia tirar a medida dos meus treinos no Ibitipoca. E, para saber se eles estavam bons, tinha que ganhar a prova. Era uma meta particular, sempre um desafio. Para muita gente, o negócio é participar do evento, colocar aquele colete, o GPS e entrar na trilha. É a história que eles vão guardar. Esse é o brilho do IOR, um diferencial mesmo”.

Emerson Loth, o Bombadinho (Foto: Divulgação / Pro Tork)

Emerson Loth, o Bombadinho, campeão Brasileiro de Enduro de Regularidade 2013 (Foto: Divulgação / Pro Tork)

Bombadinho e Grecco: duelo de titãs

Atual campeão Brasileiro de Enduro de Regularidade – onde aparece em terceiro nesta temporada -, bicampeão Paranaense, Sul-Brasileiro e de Enduro FIM, Emerson Loth, o Bombadinho (Pro Tork/ Orma/ Rinaldi/ Fprm/ R2/ Nqi Power/ 5inco/ Big Car/ Compass), deixa Curitiba (PR) para estrear no Ibitipoca. Por enquanto, sua única certeza é de que precisa enfrentar vários desafios para alcançar o principal título das motos.

“O que me motivou a participar foram os bons comentários que sempre escutei sobre a prova (muito técnica, que exige muito dos pilotos e um evento bastante profissional) e o convite que venho recebendo, durante vários anos, de amigos que participam. Estou com a intenção de conhecer a disputa, mas lógico que sempre busco bons resultados… Sei que tenho muitos concorrentes fortes, porém, espero ficar entre os cinco melhores. Se isso acontecer, já estarei satisfeito”, destaca.

Ao contrário do que se possa imaginar, ele não encara a ausência do octacampeão do IOR como um “facilitador” na categoria. “Não acredito que isso possa interferir na prova de outros pilotos. Apesar do Sandro conhecer muito bem a região e ser consagrado, pelo nível que os competidores estão hoje, não dá para prever um ganhador antes de terminar a corrida”. E faz questão de falar sobre o relacionamento com os concorrentes no universo off road. ”É uma relação extremamente boa. Apesar de estar distante, sempre tenho contato com a maioria deles e, com isso, só fortalecemos o esporte”.

Jomar Grecco, líder do Brasileiro de Enduro de Regularidade (Foto: Erik Araújo)

Jomar Grecco, líder do Brasileiro de Enduro de Regularidade (Foto: Erik Araújo)

Quem também chega para dar trabalho na Master, mais uma vez, é o atual líder do Brasileiro de Enduro de Regularidade e campeão do Enduro da Independência 2013, Jomar Grecco (Sherco/ Motofire Preparações/ASW/ Mitas/ Corona/ Jarva/ Putoline/ Mrpro Braces/ Imagem/ Show de Compra/ Husby). Natural de Pedra Azul (ES), ele aponta os vices-campeonatos de 2008, 2010 e 2013 no Ibitipoca como um alerta.

“Este ano vou ser campeão, se Deus quiser. Estou numa ótima fase e não tenho nenhuma estratégia específica para vencer. Vou fazer o máximo para conquistar esse título inédito no meu currículo. O Bombadinho é um grande concorrente, mas acredito que, por estar na minha quarta edição do IOR, isso aumenta meu favoritismo”.

Líderes mineiros

Pela quarta vez na disputa, o líder Master do Campeonato Mineiro de Enduro de Regularidade, Mario Vignate (Jesus é o Senhor), de Santo Antônio do Monte (MG), segue em busca da primeira vitória no enduro “mais charmoso do Brasil”.

Mario Vignate, bicampeão Mineiro de Regularidade (Foto: Leo Corrosivo)

Mario Vignate, bicampeão Mineiro de Regularidade (Foto: Leo Corrosivo)

“Não estou fazendo nenhum preparativo especial, mas venho participando de várias provas este ano, o que ajuda a pegar um ritmo bom. Estou com uma expectativa boa para a prova, que é sempre bem organizada e de nível técnico muito alto. Por virem grandes pilotos do Campeonato Brasileiro, a disputa vai ficar maior, mas vou em busca da vitória, com o apoio do Senhor Jesus”, destaca. Entre outros resultados importantes, o samontense é bicampeão Mineiro de Regularidade e campeão do Enduro da Independência 2011.

Laura Nunes, atual líder do Campeonato Mineiro (Foto: Mais Trilhas)

Laura Nunes, líder Feminino do Campeonato Mineiro (Foto: Mais Trilhas)

Na categoria Feminino, a belo-horizontina Laura Nunes (Loja Primavera/ WABM Desenhos Técnicos/ Mechanic Staff), vice-campeã do Enduro E1 2013, volta ao Ibitipoca para se superar, sabendo que, mesmo com a ausência da bicampeã do IOR, Sabrina Katana (tetracampeã Mineira de Enduro e pentacampeã do Enduro da Independência), precisa enfretar uma forte concorrente.

“É a Késsia (Tristão), que anda forte. Tenho que me concentrar muito, pois não estou 100%. O ligamento do meu joelho direito está rompido e ainda estou com receio de forçá-lo. Mas espero que tenha muita trilha boa e imagino que não vai ser fácil – mais um motivo para eu ir com calma e tranquilidade. É uma prova que exige muito físico e, sem dúvidas, é muito técnica. Estou ansiosa para chegar. Meu objetivo é ir até o final sem me machucar, e me divertir”, adianta.

Voz da organização

Coordenador do Ibitipoca Off Road, Manoel Resende comenta a presença de tantos pilotos na edição comemorativa de 25 anos. ”Mais importante do que falar dos ‘feras’ que estão vindo é ressaltar a credibilidade que o evento tem e a confiança que os pilotos depositam na gente. Somos reconhecidos por um trabalho bem feito, honesto e bem organizado durante todos esses anos. É um privilégio ter o voto de confiança de 380 pilotos de moto e de 60 duplas nos carros, o que totaliza 500 atletas participando conosco e nos tornando um dos maiores eventos do Brasil nessa modalidade. Receber cada um deles, desde os mais importantes em termos de premiação até os iniciantes, é uma honra enorme. Estamos coroando essa edição com os melhores pilotos do país e com as pessoas que mais acreditaram no nosso trabalho”.

Manoel e Thiago Rezende, organizadores do IOR (Foto: Priscila Oliveira)

Manoel e Thiago Resende, organizadores do IOR (Foto: Priscila Oliveira)

As disputas ainda acontecem na Dupla Graduado, Dupla Novato, Junior, Novato, Over 50, Over 55 e Sênior, sempre em quatro provas: de Juiz de Fora (pátio da Suprema – Trevo do Salvaterra) a Lima Duarte (neutro principal); de lá até Conceição de Ibitipoca; e em dois percursos de volta ao ponto de largada – totalizando de 329km a 350km, dependendo da categoria. A competição encerra o Campeonato Mineiro de Enduro de Regularidade 2014 e conta pontos para a Copa Estrada Real, prevista até outubro.

Supervisor geral do IOR, Thiago Resende também faz suas considerações sobre o que está por vir. “Para todos esses participantes, a importância de ter um título do Ibitipoca é um mérito. Por isso, fizemos uma prova técnica, dura e que, na minha opinião, vai ser vencida por quem for o melhor piloto do Brasil. A diferença do IOR para outras competições é fazer cada categoria passar por um tipo de terreno, porque a gente não pode exigir do Novato o mesmo que exige na Master. Sem dúvida, vai ter muita trilha o tempo todo, fazendo os pilotos ‘morrerem’ aos poucos. Eles chegam à Ibitipoca bem, com uma prova teoricamente nem tão difícil, e voltam para Juiz de Fora com a certeza de que os dois dias foram difíceis. Não dá para a galera gastar energia num dia só, senão, corre o risco de não completar”.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *