Líder do ranking brasileiro sub-23, Amanda Oliveira se emociona: “Não imaginava chegar tão longe”

*Reportagem: Priscila Oliveira

“Tudo o que vem acontecendo comigo é resultado de muito esforço, dedicação, persistência e treino. Sigo em frente, sempre humilde, acreditando no meu potencial e jamais desistindo dos meus objetivos”. Essa é a percepção da atleta Amanda Oliveira (Fac. Granbery/Ed. Física/ Real Mercês/ Sicoob/ NutriMais/ UFJF), de 21 anos, ao fazer um balanço da atual temporada, que promete terminar ainda melhor do que começou.

Só nesta temporada Amanda Oliveira já disputou mais de 30 provas e chegou ao pódio geral na maioria delas (Foto: Hugo Keyler/arq. RCO)

Do início do ano para cá ela já disputou mais de 30 provas, chegando ao pódio geral na maioria delas. Entre os resultados que considera principais, a 8ª Corrida Rústica Saúde e Vida sem Drogas, na terra natal, ocupa lugar de destaque. “É uma das mais importantes, por ser na minha cidade, que é onde tudo começou. Teve também o Campeonato Sub-23, em Porto Alegre (RS), onde fui bicampeã brasileira na prova dos 5.000m e nos 10.000m; o Campeonato Mineiro, em Lavras, onde consegui bater meu recorde nos 5.000m; o Desafio Rivelli, que fui bicampeã e considero uma corrida muito bem organizada; e a Copa Brasil de Cross Country adulto, no começo do ano, em Bragança Paulista (SP), onde alcancei a terceira colocação diante das melhores atletas do país”, pontua.

Recorde e gratidão

Outro momento para lá de especial foi vivido no domingo passado, 26. “Alcancei o 3º lugar na ASICS Golden Run, em Belo Horizonte. Foi uma emoção muito grande, muito grande mesmo, por ter batido meu recorde nos 21km (01:19:14) e por esse pódio, que eu estava esperando tanto e era tão desejado”.

Em família e na terra natal ela encontra alguns dos principais alicerces em busca de resultados ainda melhores (Foto: Hugo Keyler/arq. RCO)

Para Amanda, não faltam motivos para comemorar. “O que também me chama muito a atenção, e me deixa muito feliz, é que sou a primeira colocada no Ranking Brasileiro Sub-23 nos 5.000m e nos 10.000m. Estou muito feliz com os resultados desse ano! Tenho conseguido atingir meu objetivo, que é melhorar ainda mais os meus tempos nas corridas. Também faço questão de participar das provas da região, levando meu nome a todas as cidadezinhas”, enfatiza.

E não abre mão de acrescentar: “Só tenho que agradecer a Deus, minha família, apoiadores, treinadores (Zirlene Santos e Jorge Perrout) e, em especial, aos meus amigos, que sempre ficam na torcida por mim. A corrida é a melhor coisa que aconteceu na minha vida! Essa conquista também se deve ao policial Reinaldo Simplício, que me descobriu no esporte. O admiro como amigo, pessoa e, principalmente, como atleta. Fiz verdadeiras amizades através da corrida. Isso faz a maior diferença para mim”.

Maior objetivo da atleta é representar o Brasil nas Olimpíadas (Foto: Hugo Keyler/arq. RCO)

Cheia de sonhos

Apesar de toda essa trajetória promissora, iniciada oito anos atrás, numa prova infantil, a mercesana garante que muitas dificuldades surgiram no caminho. “Quando comecei a correr, algumas pessoas não entendiam muito bem e falavam assim: ‘Lá vai a magrela correr…’, ‘Vai correr para quê?’. Era um tipo de preconceito, mas a minha maior dificuldade era em termos de patrocínio. Às vezes, eu tinha que ir de moto para as provas, porque não conseguia carro para me levar. O pessoal não valorizava a corrida, o atletismo. Hoje, graças a Deus, consegui alguns apoiadores na minha cidade, mas ainda é muito difícil”, pondera.

Mesmo assim, não lhe faltam forças para seguir adiante. “Nós não podemos desistir! Temos que ir atrás dos nossos sonhos e fazer nossa parte. Com tanta gente boa ao meu redor, as coisas estão acontecendo da melhor forma possível. Eu não imaginava chegar tão longe, mas nunca desisti de lutar pelos meus objetivos. Sempre fui uma menina talentosa, que corre atrás dos próprios sonhos. Daqui para frente, eles vão só aumentando e um dos maiores que eu tenho é representar o Brasil nas Olimpíadas. Apesar de ser um trabalho duro, nada é impossível”.

Sul-Americano

Por ser a primeira colocada nacional na categoria sub-23, agora Amanda Oliveira aguarda ansiosa pela lista de convocação para o Campeonato Sul-Americano de Atletismo, marcado para 29 e 30 de setembro, em Cuenca, no Equador – inicialmente, o evento estava previsto para o final de outubro, em Córdoba, na Argentina. Antes disso, ela participa do disputadíssimo Troféu Brasil, entre os dias 14 e 16, novamente em Bragança Paulista (SP). “Semana que vem vou intensificar meus treinos, porque ainda estou treinando mais leve, descansando, por ter feito a meia maratona. Com certeza o Troféu Brasil vai ser um treino muito bom e muito forte para o Sul-Americano”, finaliza.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *