Luiz Maurício Dias: recordista no lançamento de dardo rumo ao Mundial

* Priscila Oliveira ; Foto de capa: Marcus Cicarini

Quando teve o privilégio de ser um dos condutores da tocha olímpica pela cidade, dois anos atrás, o jovem Luiz Maurício Dias, de 18 anos, já era uma das grandes promessas do Centro Regional de Iniciação ao Atletismo da Universidade Federal de Juiz de Fora. Como todo integrante do projeto CRIA UFJF, ele conheceu várias modalidades até se identificar com o lançamento de dardo e iniciar uma jornada que, num futuro próximo, promete conduzi-lo à realização de um grande sonho: o de disputar as Olimpíadas.

luiz maurício dardo 3 - cbat

Do alto de seus mais de 1,90m de altura e os 18 anos, juiz-forano sonha em disputar Olimpíada (Foto: Divulgação/CBAt)

No último fim de semana, deu mais um passo rumo a esse objetivo – lançou 70,20m e bateu várias marcas durante o Campeonato Mineiro Sub-20, no complexo esportivo da Faefid, seu tradicional ambiente de treinos. “Foi muito emocionante, porque todos os meus familiares estavam na competição. Eu estava muito bem preparado! Estabeleci o recorde Sub-20, Sub-23 e Adulto”, comemorou.

Com esse resultado, garantiu índice para o Campeonato Mundial Sub-20, em julho, na Finlândia. Porém, a confirmação da vaga só deve acontecer no fim de junho, quando se encerra o prazo de homologação pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt). Sem perder o foco, Luiz estabelece outras metas. “Agora começo outra preparação, para o Brasileiro, marcado para duas semanas antes do Mundial. Quero fazer parte da Seleção! Ainda não competi fora do Brasil, mas acho que, apesar da pressão ser maior, fazendo tudo certo, vai ser tranquilo. Todo atleta tem o sonho de competir as Olimpíadas, mas estou muito perto de alcançar outra realização, que é competir um Mundial”.

Evolução e orgulho

Até chegar aos lançamentos de dardo e disco, Maurício disputou várias corridas de rua. “Num campeonato só tinha duas vagas para a corrida, então, me inscreveram no lançamento. No começo a gente usava ‘pelota’, uma bolinha de beisebol, nos treinos e eu era quem lançava mais longe, mas não sabia fazer isso direito. Meus treinadores foram estudando sobre o assunto e nossa evolução foi acontecendo ao mesmo tempo – eles nos meus treinamentos e eu, na técnica. A cada ano que passava aumentava o nosso nível”, lembrou.

luiz maurício dardo - cbat

Um dos destaques do CRIA UFJF, ele quer integrar a Seleção Brasileira (Foto: Divulgação/CBAt)

Do alto de seus mais de 1,90m, o juiz-forano tira proveito da genética, ao mesmo tempo em que sabe bem os ingredientes necessários para garantir bons resultados. “O lançamento se baseia em força, técnica e velocidade. Por isso, você tem ser rápido, forte e muito técnico. Outra coisa que faz diferença é a altura. Quem é mais alto leva vantagem”.

Segundo o treinador Jefferson Verbena, o atleta é um dos orgulhos do CRIA UFJF. “O Luiz está há cinco anos em nosso projeto. Passou por todo o processo de formação esportiva e agora está se especializando no dardo e no disco. O índice ainda não lhe dá vaga para o Mundial, porém, o aproxima muito, uma vez que cada país tem direito a apenas dois atletas na prova. Pelo que acompanhamos do Ranking Brasileiro, essa marca oferece grandes chances. Até lá, estaremos trabalhando para que ele melhore ainda mais e carimbe de vez sua ida”, finaliza.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *