Triatleta de JF conquista bons resultados no Ironman 70.3 Pucón, do Chile

Daniel Moreira foi o  segundo melhor brasileiro na categoria 25-29 anos

Recém-chegado de sua estreia no Ironman 70.3 Pucón, no Chile, que aconteceu no último dia 12, o triatleta juiz-forano Daniel Moreira só tem motivos para comemorar. Em meio a 1021 participantes de todo o mundo, ele completou os 1,9 Km de natação, 90 Km de ciclismo e 21 Km de corrida em 05h17min37s, o que lhe rendeu o 278º lugar geral, a 264ª colocação entre os 903 homens e o 32º na categoria de 25 a 29 anos. Com esses resultados, ele foi o segundo melhor brasileiro na mesma faixa etária.
Daniel Moreira no Ironman Pucón (foto: Divulgação)
Em entrevista exclusiva ao blog Rumo Certo, Daniel revela que essa também foi sua primeira experiência em provas no exterior e que deseja até planejar as próximas férias de acordo com o calendário de competições internacionais. Para ele, o Ironman Pucón, considerado a corrida mais bonita do mundo, foi reflexo de um trabalho bastante produtivo.

“O ano de 2013 foi muito bom e, até mesmo, com algumas conquistas inesperadas, como o segundo lugar nacional no XTERRA e a 5ª colocação no Long Distance de Pirassununga (SP), em que não consegui treinar antes, mas me ajudou muito a me preparar para Pucón. Como a prova foi agora em janeiro, passei dezembro todo treinando, dormindo e me alimentando bem”, lembra.

Mesmo confiante para a viagem, Daniel contou com uma surpresa desagradável pelo caminho, literalmente. “Dois dias antes de embarcar para o Chile, sofri um acidente no último treino de bicicleta, na BR-040. Caí a uns 50Km/h e fiquei sem conseguir movimentar o ombro esquerdo. Para mim, seria impossível completar a prova de Pucón, principalmente por causa da natação e do estilo de pedalar, porque eu não conseguia ficar em cima da bicicleta”, relata.

Já na prova… 

No fim das contas, já na cidade de Pucón, ao sul do Chile, o juiz-forano percebeu que a natação não apresentava tantos problemas, a exemplo do que havia ouvido falar. Em compensação, o ciclismo…  “Foi uma prova bem diferente de todas que corri: um asfalto muito ruim, onde a bicicleta trepidava muito e não andava. Um percurso de muita subida, que pedia muita força, e com uma descida que não tinha muito onde descansar a bike”, pontua.
 

O juiz-forano, se superando na prova de bike (foto: Divulgação)
Para completar, as dificuldades não pararam por aí. “A corrida é feita numa pequena península em Pucón, ao lado do lago. Você sai da área de transição e já começa a subir. São três voltas num percurso de 7Km, sendo 4Km de subidas, o que torna a prova muito diferente e desgastante. Como não consegui correr a primeira volta, fiquei meio assustado com as subidas no início, mas depois acostumei e soube exatamente onde devia puxar ou diminuir o ritmo”, comemora o triatleta.

Paisagens inesquecíveis e foco no futuro

Sobre a “corrida mais bonita do mundo”, Daniel  Moreira destaca que, em conversa com atletas amadores e de elite, que possuem provas em vários locais do mundo, todos se referiram de uma forma muito especial ao Ironman Pucón. As belezas naturais da região (como a vista do vulcão Vilarrica, que os acompanhou em todos os percursos), a hospitalidade dos moradores e o circuito turístico no entorno da cidade (como a escalada ao vulcão e a visita às termas de água quente) são considerados um convite a mais à competição.

Ainda para 2014, apesar de estar com o calendário um pouco mais flexível, o triatleta pretende se dedicar mais aos treinos e conseguir outros bons resultados. “Quero focar em poucas provas, para fazer treinos específicos. Por enquanto, o que tenho em vista são algumas etapas do XTERRA e o Long Distance de Pirassununga, novamente. Ainda espero correr mais uma ou duas provas de 70.3 até o final do ano”, encerra.

Bike de Daniel com Vulcão Vilarrica ao fundo (Foto: arquivo pessoal)

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *