Ultramaratonista de JF mobiliza corredores locais e do Rio em treino até Paraíba do Sul

Gláucio Monte-Mór (Foto: arquivo pessoal)

Gláucio Monte-Mór (Foto: arquivo pessoal)

Seria apenas mais um “longão” preparatório do atleta e treinador Gláucio Monte-Mór (VidAtiva) para a VII Ultramaratona Rio24h – Fuzileiros Navais, no final de agosto, não fosse a mobilização da namorada, de amigos locais e até de colegas do Rio de Janeiro em torno dos mais de 70km que ele deve percorrer entre Juiz de Fora e a cidade de Paraíba do Sul, neste sábado, 05. A programação é a seguinte: o ultramaratonista larga de casa, no bairro São Mateus, às 5h, acompanhado dos conterrâneos – divididos em três carros. Além do apoio com hidratação e lanche, eles tem a missão de botar o tênis na estrada e correr com o juizforano pela BR-040, num esquema de revezamento, até Três Rios. De lá, junto com um casal de amigos em comum entre os mineiros e a recém-formada equipe “Vem Pra Rua TR”, o “comboio corredor” segue pela BR-393 até o destino final, onde está prevista uma grande confraternização de esportistas.

Tipo ‘Forrest Gau’

Empolgado com o carinho de tantas pessoas para que seu esforço seja recompensado na Ultramaratona, que premia quem fizer o maior percurso em 24h, a partir de 9h do dia 23 do próximo mês, Monte-Mór lembra não ser essa a primeira vez que entra numa incursão até o Centro-Sul Fluminense. “Há muitos anos, quando ainda não era corredor, eu e um amigo fomos andando até Levy Gasparian. Levamos dez horas.  No ano passado, quando estava treinando para a Ultramaratona de Praia Grande (100km), combinamos com nosso casal de amigos, mas não rolou. Agora, vai acontecer e vou fazer mais distância em menos tempo. Espero completar em, aproximadamente, sete horas e meia”.

Com a namorada, Tatiana Fonseca (Foto: arquivo Gláucio Monte-Mór)

Com a namorada, Tatiana Fonseca (Foto: arquivo Gláucio Monte-Mór)

Ele se diz surpreso com tanta movimentação em torno do percurso que escolheu para testar sua performance antes da Ultramaratona Rio24h. “Inicialmente, não era nada mais do que meu maior treino. A Tati (Fonseca) e outro casal de amigos iam de carro no apoio e só, mas a galera de lá achou legal, comprou a ideia e isso acabou virando um ‘evento'”, explica, depois de se referir à namorada.

No mesmo sentido, ela, que também é aluna e se aventura por diversas provas com o amado – mas afirma estar longe de ser ultramaratonista, se inspira no filme norte-americano “Forrest Gump” (O Contador de Histórias) para celebrar. “Vai ser um treino fundamental na preparação dele e o apoio da galera é muito importante, porque correr isso tudo sozinho não é fácil. Tendo companhia, fica bem menos sofrido, ainda mais considerando que o pessoal está curtindo. É tipo ‘Forrest Gau'”, brinca com o apelido do atleta.

Família fora de casa

Integrante da equipe “Vem Pra Rua TR”, a trirriense Andréa Dias não vê a hora de chegar sábado. “O que o Gláucio faz não é para qualquer um. Tem que ter preparo, foco e muita disciplina. Quando corremos, por muitas vezes, somos nós e a estrada, nada mais. Mas, fazendo isso com um grupo, com pessoas que entendem o que sentimos ao correr e nos apoiam, independente dos nossos quilômetros ou paces, é como se encontrássemos nossa família fora de casa. Estamos todos ansiosos”.

Equipe "Vem Pra Rua TR" (Foto: arquivo Andréa Dias)

Equipe “Vem Pra Rua TR” (Foto: arquivo Andréa Dias)

O “amigo em comum”, Vinicius Vieira, complementa a intensão do grupo em torno dessa iniciativa. “Nos colocamos mesmo nessa condição de contribuir para que ele tenha um bom aproveitamento no treino, que é muito puxado. Fica difícil acompanhá-lo muito tempo, por causa do ritmo que ele imprime e porque a maioria de nós é atleta amador. Mas estamos fazendo um planejamento para dar apoio moral e suporte logístico”.

Segundo o valenciano, cerca de vinte integrantes devem se revezar, no máximo em duplas e a cada 5km, no trajeto de Três Rios a Paraíba do Sul. Essa estratégia é uma medida de segurança, para evitar qualquer transtorno pela rodovia federal que liga um município a outro.

Cheio de resultados

O ultramaratonista Gláucio Monte-Mór possui um currículo esportivo formado por quatorze meias maratonas, cinco maratonas, quatro provas de 50km, uma de 100km e uma de 12h desde que começou a correr, em junho de 2005. Até hoje, ele considera a Corrida Internacional de São Silvestre um marco de sua trajetória. “Tinha um pouco de sobrepeso. Um amigo de mais de 50 anos, na época, se inscreveu e me motivou a fazer também. Fiz a inscrição em agosto e não aguentava correr nem 5km. Mas, treinei, e aguentei os 15km da prova em dezembro. Depois, nunca mais parei”, revela.

Nos 100km da Ultramaratona de Praia Grande 2013 (Foto: arquivo Gláucio Monte-Mór)

Nos 100km da Ultramaratona de Praia Grande 2013 (Foto: arquivo Gláucio Monte-Mór)

De lá para cá, seus melhores resultados foram: 6º geral e campeão da categoria 30-39 anos da Ultramaratona de Valinhos 2013 (12h / 110km); 5º geral da Ultramaratona de Praia Grande 2013 (100km); 4º geral e campeão 35-39 do Desafio da Serra 2013 (34km); 4º geral da Supermaratona de Friburgo 2012 (50km); 25º geral e 5º na 30-34 da Maratona Cross Country de Búzios 2012; 15º geral e 2º na 30-34 da Meia Maratona de Juiz de Fora 2012; e, recentemente,  2º colocado na faixa 35-39 da XC RUN Cross Country de Itaipava 2014.

Para a VII Ultramaratona Rio24h – Fuzileiros Navais, o atleta é patrocinado por VidAtiva Consultoria Esportiva, Universidade Federal de Juiz de Fora, Alumac, Rodoviário Camilo dos Santos, Souza Gomes Imóveis, Elettra Componentes, Tesla Eletrônica, Curso Cave e Semetra. Ele também recebe apoio de Fullife Nutrition, Fisioterapeuta Armando Falconi Neto e Camorra Tennis.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *