Vanderson Luiz sobre a ultra Comrades: “Vou ter que voltar para cumprir o trajeto inverso”

* Priscila Oliveira ; Fotos: arquivo pessoal

10 de junho de 2018. Essa é uma data que o ubaense radicado em Juiz de Fora, Vanderson Luiz, certamente jamais vai esquecer. Com 44 anos, o atual campeão Brasileiro de Ultramaratona 24h, militar do Exército e dono de mais de duas décadas dedicadas às corridas de rua, vive as alegrias de ter participado da prova mais tradicional da modalidade no mundo: a Comrades, de 90km, realizada entre as províncias de Pietermaritzburg e Durban, na África do Sul.

vandinho comrades - estádio - pessoal

No estádio da África do Sul onde foi a chegada da prova. “É uma mistura de raças e idiomas impressionante”

Calor humano

Apesar da sensação de 0ºC quando chegou ao local da ultramaratona, ainda de madrugada, e da emoção sentida pelos 23 mil participantes no momento em que os hinos do país e da corrida foram entoados, o mineiro destaca com carinho a receptividade da comunidade local durante todo o trajeto. “Já participei de inúmeras provas no Brasil, mas essa foi a minha primeira internacional. Uma experiência fantástica! Um calor humano incrível, numa mistura de raças e idiomas impressionante. Essa corrida contagia a todos – não só os atletas, mas a população das duas cidades. Desde os primeiros metros, os moradores saem de casa, com roupa de dormir ainda e celular nas mãos, para filmar os corredores, dizendo palavras de incentivo e agradecimento por estarmos ali. Sinceramente, nunca tinha visto isso em nenhuma prova”, destaca.

Para Vanderson, além do espírito de união e solidariedade, a grandiosidade do evento é um aperitivo a mais. Segundo ele, milhares de pessoas se dividem em várias atividades, como em pontos de hidratação, alimentação, massagem e pace. “A organização disponibiliza os chamados ‘Ônibus’, que são pacers contratados para correr no ritmo ideal para cada objetivo – Sub-8h, Sub-8h30, Sub-9h e, assim sucessivamente, até as 12h limites. Essa ideia é muito bacana e eles cumprem muito bem o dever de casa”. 

vandinho comrades - chegada - pessoal

Mineiro cumpriu os 90km entre Pietermaritzburg e Durban em 08:17:56

Missão cumprida

Dores musculares, provocadas pelo sobe e desce do percurso, foram minimizados pelo desejo de cruzar a linha de chegada. “Passei muito bem na metade da prova, com 03h56min, tendo a possibilidade de fechar com um pace muito bom. Mas, depois você descobre que isso é o de menos. Graças a Deus, corri muito bem e cumpri meu objetivo. Meu resultado informado foi de 08:17:56. Gostei muito! Atletas internacionais são minoria, pois os sul-africanos são apaixonados pela prova e ocupam mais de 80% das vagas. Mesmo assim, todos são tratados com igualdade”, garante.

Ainda de acordo com Luiz, como não poderia deixar de ser, toda a experiência vivida na Comrades traz um único desejo. “É um respeito muito grande com os atletas – desde a entrega de kit, largada, corrida e chegada. Tudo funciona tão bem que, ano que vem, terei que voltar para cumprir o trajeto inverso, de subida. Serão 87km de Durban até Pietermaritzburg. Essa é a essência da prova. O Espírito ‘Shosholoza’ (o hino da corrida), para conseguir a tão sonhada medalha do ‘Back to Back’. Então, vamos aos treinos”. 

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *