Vice-campeão brasileiro de scratch, paraciclista de JF segue agenda de competições e conquista bi na Volta Ciclística de São Salvador

* Foto de capa: Divulgação / CBC ; Matéria: Priscila Oliveira

André Novaes, 2º no pódio de scratch do Brasileiro de Paraciclismo de Pista 2014 (Foto: arquivo pessoal)

André Novaes, 2º no pódio de scratch do Brasileiro de Paraciclismo de Pista 2014 (Foto: arquivo pessoal)

Depois de se tornar bicampeão na categoria Master B1 (40 a 44 anos) da Copa Rio de Janeiro de Ciclismo, em julho, o paraciclista juizforano André Novaes, vice-campeão brasileiro na categoria C5, considerada a elite do ciclismo paralímpico, continua driblando a falta de patrocínio para dar continuidade à agenda de pelo menos 30 disputas pessoais até o final do ano. Sua conquista mais recente foi o vice na retomada do Campeonato Brasileiro de Paraciclismo de Pista Elite 2014, realizado no Velódromo de Maringá (PR), nos últimos dias 2 e 3.

“Participei das provas de Perseguição Individual, onde dois atletas (um em cada lado da pista) dão 16 voltas ou até alcançar o adversário, e foi nessa que tive uma queda, me machuquei um pouco. Na relargada, não tive condições e fiquei em 4º. Na prova do Km Contra Relogio, fiquei em 4º devido a um problema mecânico que me tirou o bronze por 10 milésimos. Aí, fui cuidar dos ferimentos e descansar para o domingo, na prova de ‘Scratch’, onde os 10 finalistas disputaram o pódio em 40 voltas”, lembrou.

Motivação para chegar entre os primeiros colocados foi o que não faltou. “Tive que superar a dor e a presença do campeão mundial da modalidade, Soelito Gohr. Percebi a aceleração dele na metade da prova e encaixei uma fuga alucinada até apanharmos o pelotão por traz e não deixa-lo sair. Assim, foi manter a vantagem de 1 volta e conquistar o vice brasileiro no ‘scratch’, prova muito louca e cheia de adrenalina”.

andré na volta de são salvador - pessoal

Bicampeão da Volta Ciclística de São Salvador (Foto: arquivo pessoal)

São Salvador

Sem folga entre uma disputa e outra, Novaes enfrentou, na manhã desta quarta-feira, 06, o speed circuito de 45 minutos mais uma volta da 70ª Prova Ciclística de São Salvador, em Campos dos Goytacazes (RJ).

“Alinhei pensando somente na vitória e com um sentimento enorme de homenagear minha avó, Vitória, falecida há 20 dias. Não foi fácil, foi a competição em que fui mais marcado até hoje. Olhava para traz e só via atletas tops em minha roda, mas senti que as pernas estavam boas, pois, mesmo com ferimentos do último domingo, na pista de velódromo, tinha que ganhar. E isso aconteceu com calma e estratégia, porque trabalhei marcando e neutralizando possíveis fugas. Daí, não deu outra: num ‘sprint’ em pelotão, arranquei e fui passando, e, a poucos metros da linha, já me coroei quando passei o melhor ‘sprinter’ do Rio de Janeiro, se não do Brasil, Fábio Lemos – que ninguém se lembra a última vez em que perdeu uma chegada”, destacou.

E as emoções continuaram. “Após a linha, não me contive. Acreditava no primeiro lugar, mas, da forma que foi e como foi, senti logo o valor da vitória ao receber as manifestações de atletas de alto nível numa das provas mais espetaculares da minha carreira e que, para muitos e para mim, vale mais do que um Campeonato Brasileiro, sem demagogia”.

Pronto para a próxima

Mesmo com uma competição atrás da outra, as atividades do paraciclista juizforano estão longe de se encerrar. “Agora é correr atrás das despesas, pois as duas últimas zeraram o que eu já não tinha financeiramente. Semana que vem, estou em Penha (SC) para a 2ª etapa da Copa Brasil de Paraciclismo de Estrada e Contra Relógio Individual. Vamos lá sem patrocínio, mas na raça e na vontade”, finalizou.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *